.: CEPAI :.

REVISTA ELETRNICA



Artigos

A PSICOPEDAGOGIA EM RECIFE

Por Maria das Graas Sobral Griz
Especialista em Psicopedagogia, Coordenadora do Curso de Ps-Graduao em Psicopedagogia, Professora de Modalidades de Aprendizagem do Psicopedagogo, Coordenadora do Ncleo de Recife da ABPp




 


 

Votar:

Pontuação atual:

 


Antes de falar sobre a Psicopedagogia em Recife, como foi seu processo de construo, gostaria de escrever um pouco sobre a prpria histria da psicopedagogia. Muitos tm falado sobre o tema, mas considero importante, para aqueles que esto ingressando numa profisso, conhecer a histria da prxis que deseja desenvolver Viabilizando este pensamento, iniciarei falando dos primeiros tericos que se detiveram em estudar os problemas de aprendizagem. Os estudiosos que pesquisaram os problemas de aprendizagem so originrios da Europa, j no sculo XIX. Quem primeiro se deteve no estudo desses problemas foram os filsofos, os mdicos e os educadores (Bossa, 1994)1,.

A literatura francesa nos mostra autores como Jacques Lacan, Maud Manoni, Franoise Dotto, Julin de Ajuriaquerra, Pierre Vayer, Pichn-Rivire, Janine Mery, dentre outros, cujas idias influenciaram a Psicopedagogia na Argentina, que vem se destacando como forte, na prxis psicopedaggica brasileira.

Bossa (1994), nos fala sobre o primeiro centro mdico-psicopedaggico, localizado na Frana e cujo fundador foi George Mauco. Neste centro j se observa uma articulao entre vrias reas de conhecimento, como a Medicina (psiquiatra, neuropediatra e e pediatra), a Psicologia, a Psicanlise e a Pedagogia. Juntos os profissionais destas reas buscavam solues para os problemas de aprendizagem que acercavam as crianas de ento.

A Frana, pois, leva para a Argentina seus aportes tericos sobre o tema da problemtica escolar. A Argentina exporta para o Brasil no s uma literatura como tambm profissionais da Psicopedagogia que aqui vieram estudar em cursos de ps-graduao, e aqui permaneceram ministrando cursos e ocupando espaos de trabalho na Psicopedagogia no Brasil. Os argentinos com os profissionais brasileiros comeam, aqui, a firmar a Psicopedagogia.
Em So Paulo, profissionais preocupados com os problemas de aprendizagem de nossas crianas juntam-se para analisar e discutir sobre o assunto. Em 1979, no Instituto Sedes Sapientiae, foi criado o primeiro curso de Psicopedagogia, a nvel de ps-graduao, iniciativa de Maria Alice Vassimon, pedagoga e psicodramaticista, e Madre Cristina Sodr Dria, diretora desse Instituto.. Importante ressaltar que na Argentina j existe este curso a nvel de graduao.

Outros estados se constituem tambm como pioneiros, como o caso de Rio Grande do Sul, pela sua preocupao com a formao institucional de profissionais que se dedicavam ao estudo da Psicopedagogia. Nos anos 80, ainda em So Paulo, grupos de profissionais se organizam em Grupos de Estudo para analisar, discutir, estudar e buscar soluo para os problemas de aprendizagem e definir as abordagens preventivas e teraputicas da Psicopedagogia . A partir desses encontros, surgiu a Associao Estadual de Psicopedagogia, em 1980, que mais tarde, ainda na dcada de 80, se transforma em Associao Brasileira de Psicopedagogia - ABPp. Atualmente, a ABPp conta com 13 sees e 9 ncleos, dos quais um o de Recife, abrangendo os profissionais de Pernambuco.

Em Recife, a Psicopedagogia comea a fazer parte da atuao de profissionais da rea da educao, nos meados dos anos 70. Comeam a aparecer grupos de estudos sobre os problemas de aprendizagem, reunies assistemticas, e profissionais isolados iniciam um trabalho em ambulatrio e em clnicas particulares. Os cursos que apareciam, em Recife, tinham uma conotao muito ligada ao modelo mdico,onde os profissionais da educao eram excludos.

Com a grande evaso escolar, com as constantes repetncias, os fracassados escolares comearam a engrossar a fileira dos excludos, o que marginalizava o sujeito tambm do mercado de trabalho local. Com isto, aumenta a preocupao daqueles profissionais comprometidos com a educao de nossos jovens, e com a importncia de nossas escolas na formao do cidado.

Desta forma, surge o Centro Psicopedaggico de Atividades Integradas, entidade jurdica, denominada CEPAI LTDA, em 1996. O CEPAI nasce de um desejo de se criar um espao para aprofundamento e pesquisa sobre o processo de aprendizagem humana, a partir da constatao do grave problema social do fracasso escolar. A este desejo, juntou-se o de mais duas profissionais que j trabalhavam com a problemtica da no-aprendizagem. Na ocasio, Rosa Cmara, pedagoga, e Noemi Gonalves, psicloga, juntas criamos o CEPAI.

Assim, passa a desenvolver atendimentos, grupos de estudos, reunies, estudo de casos sistemticos. Nessa atuao, o CEPAI vem ao encontro das propostas psicopedaggicas voltadas para as exigncias do 3 milnio, momento de rpidas e grandes transformaes, onde o conhecimento o instrumento que o homem vai usar para acompanhar essas mudanas, com mais flexibilidade e autonomia.

Desenvolve um trabalho interdisciplinar nas reas de psicopedagogia, psicologia, fonoaudiologia, e psicomotricidade, com aes preventiva e interventiva, atravs de diagnsticos e atendimentos das dificuldades de aprendizagem das crianas, adolescentes e adultos.

Em convnio com a Universidade Catlica de Pernambuco - UNICAP, o CEPAI realiza o primeiro Curso de Ps-Graduao "Lato Sensu" com Especializao em Psicopedagogia da Regio. Este curso surge, em Recife, com uma Grade Curricular e uma Carga Horria, seguidoras dos moldes estabelecidos pela Associao Brasileira de Psicopedagogia - ABPp. Esses moldes nos foram trazidos pelas psicopedagogas paulistas Beatriz Scoz e Maria Clia Malta que coordenaram nossas primeiras turmas.

Com isto, o CEPAI procura levar aqueles que lidam com a Educao reflexo, observao e busca de ressignificao da prpria aprendizagem.

O objetivo maior do CEPAI. refletir sobre o "aprender a aprender", a procura do conhecimento atualizado no "aqui e agora' de nossa sociedade, desenvolvendo a conscincia da co-participao entre a escola, a famlia e a comunidade, na construo da cidadania.
Atravs de aes psicopedaggicas, desenvolve sua prtica atuando em dois campos de ao:
1. Campo do saber - atravs de um Curso de Ps-Graduao Lato Sensu com Especializao em Psicopedagogia. Esse curso proporciona a interrelao entre os vrios campos da cincia que fundamentam os pressupostos da Psicopedagogia ,ao mesmo tempo que possibilita a pesquisa cientfica, atravs da prxis nos estgios clnico e institucional.

2. Campo de atuao profissional - a partir de atendimentos individuais interventivos a crianas, adolescentes e adultos, com discusses clnicas, alm de assessoramento s instituies escolar, empresarial e hospitalar, numa ao preventiva, utilizando-se dos conhecimentos adquiridos no campo do saber. Esta prxis retroalimenta o campo terico, dando maior subsdio para a resoluo das dificuldades de aprendizagem.

Depois do CEPAI, outros grupos preocupados com a problemtica da no-aprendizagem comearam a surgir em Recife, todos voltados para uma nova concepo e um novo olhar sobre esta problemtica que marginaliza o aprendente, impedindo-o de tornar-se um cidado consciente e participativo.

O CEPAI encontrou na teoria psicopedaggica o suporte terico para sua ao, e por isto torna-se importante discorrer sobre esta teoria. Tem sua ao embasada nos pressupostos tericos do processo de desenvolvimento e do processo de aprendizagem do ser humano. Desta forma, nunca demais discorrer sobre essa nova rea de atuao.

A Psicopedagogia, como j vimos, surgiu na Frana, e, inicialmente, era voltada para a remediao ou reeducao das crianas com problemas de aprendizagem, identificados, nos seus primrdios, como um modelo mdico de compreenso e tratamento dos chamados distrbios de aprendizagem.

No momento, percebe-se um avano na compreenso das questes relacionadas ao processo de aprendizagem e suas dificuldades. Diversos autores, tais como Sara Pain, Jorge Visca, Ana Maria Muiz, Pichon Rivire, Alicia Fernndez, Lino de Macedo, Beatriz Scoz, Ndia Bossa, etc., alm de alguns psicanalistas, como Anny Cordi, Leny Mrech, Maria Cristina Kupfer, Jean C. Filloux e outros aprofundam estudos a respeito das relaes entre as dificuldades de aprendizagem e o inconsciente do sujeito, e estabelecem uma relao entre inteligncia e afetividade e as suas conseqncias para o processo da aprendizagem humana.

A Psicopedagogia, ento, evoluiu e se ampliou para constituir-se numa rea aplicada, interdisciplinar e transdicisplinar. Ela integra e constri sua prpria sntese a partir das contribuies de vrias reas de conhecimento, tais como a Pedagogia, a Psicologia, a Psicolingstica, a Sociologia, a Epistemologia Gentica, a Neurologia e a Psicanlise, buscando no s o tratamento, mas tambm a preveno das dificuldades no processo de aprendizagem do indivduo.

A partir desse mltiplo olhar, a Psicopedagogia incorpora um movimento social de mudana que mostra, mais que nunca, ser necessrio repensar o papel que hoje desempenha a educao e os sistemas de ensino. preciso compreender a realidade como um processo contraditrio e dialtico, onde tudo est relacionado, onde nada existe sem que haja uma interdependncia. Assim que, segundo Scoz (1996)3, preciso repensar a competncia dos educadores, dando-lhe o que a autora chama de um saber articulado, um saber situado e um saber consciente.

Para a autora, o saber articulado a integrao de vrios campos de estudo a partir de um vasto campo de interesses. O saber situado aquele que pressupe uma dimenso de historicidade, porque, para transformar preciso seguir uma linha de transformaes. Por fim, esse novo paradigma de conhecimento pressupe uma participao ativa na criao de nosso prprio futuro, a partir da compreenso de ns mesmos, dos outros e das relaes recprocas, ou seja, de um saber consciente. (Scoz, 1996, p. 36)

Com esse novo enfoque, o sistema de ensino e os educadores devero ver em seus alunos um ser global, inserido num contexto scio-histrico-cultural.

Este novo conhecimento se insere no debate da Teoria do Conhecimento, a partir de mltiplos olhares, contribuindo para a construo de um novo campo do saber.

No por acaso que a Psicopedagogia vem se firmando como um novo campo do saber, em resposta aos anseios da contemporaneidade que se distanciam dos modelos cartesianos da dicotomia, da supervalorizao do particular, privilegiando uma viso mais ampla e geral dos acontecimentos scio-histrico-cultural.
Portanto, a Psicopedagogia, como resultado deste novo campo do saber, se constitui numa rea que estuda e lida com o processo de aprendizagem humana e suas dificuldades, compreendidas na especificidade do sujeito que aprende, enquanto singular e nico na sua constituio.

Atualmente, percebe-se um avano na compreenso das questes relacionadas ao processo de aprendizagem e suas dificuldades. Diversos autores aprofundam estudos a respeito das relaes entre inteligncia e afetividade no processo de aprendizagem humana e a respeito da interferncia de mltiplos fatores presentes neste processo.

Portanto, podemos definir a Psicopedagogia como uma rea que estuda e lida com o processo de aprendizagem humana e suas dificuldades, compreendidas na especificidade do sujeito que aprende. Apresenta ainda como objetivo central estudar, analisar e transformar as relaes que se passam entre ensinante/aprendente/objeto de conhecimento e que estejam desencadeando a no-aprendizagem do sujeito.

A Psicopedagogia surgiu a partir dos conhecimentos trazidos da Pedagogia e da Psicologia. Evoluiu em busca de um corpo terico prprio. Nesta sua trajetria evolutiva, a Psicopedagogia encontrou muito de seus aportes tericos na integrao de vrios campos de conhecimento, j expostos anteriormente, com o objetivo de ter uma compreenso mais integradora do processo da aprendizagem humana. Assim que podemos dizer que esta tarefa difcil de integrao dessas reas de conhecimento no se d aprioristicamente, mas a partir da construo, pelo profissional da Psicopedagogia, de uma sntese que se constitui, hoje, num corpo de conhecimento especfico, cujo objeto central de estudo , repito, o processo de aprendizagem humana e os percalos que possam ocorrer neste processo, procurando conhecer o sujeito aprendente e a influncia do meio - famlia, escola e sociedade - no desenvolvimento desse processo.

O campo de atuao do psicopedagogo inclui o espao fsico onde este trabalho executado, e no espao epistemolgico prprio de sua atuao. Seu campo de atuao ir depender da modalidade a que se destina sua prtica: na atuao clnica, na atuao institucional e na atividade terica, as trs sempre articuladas entre si, assumindo cada uma caractersticas especficas.

A Psicopedagogia surge no Brasil em resposta ao grande problema do fracasso escolar, buscando de incio os sintomas das dificuldades de aprendizagem - desateno, desinteresse, lentido, inapetncia para o estudo, etc. -, depois percebe que o sintoma apenas um sinal, produto de uma desarticulao dos diferentes aspectos da aprendizagem, como o aspecto afetivo, cognitivo, social e at mesmo o orgnico. Da, podemos observar tambm uma diferenciao entre Problema de Aprendizagem e Fracasso Escolar.

Como a aquisio de conhecimento um processo social, no poderamos falar da Psicopedagogia - cujo objeto central de estudo a aprendizagem do sujeito em relao com o outro - sem falar na questo da alteridade que lhe fundamental para uma melhor compreenso. Sabemos que o objeto do conhecimento construdo socialmente. Em sendo construdo socialmente, sempre perpassado por relaes. Essas relaes podem se dar de forma negativa, quando o sujeito projeta no outro aquilo que no suporta nele prprio. Nesse caso diramos que no houve uma relao de alteridade. A alteridade se caracteriza exatamente em se colocar no outro, em se ver nos olhos dos outros e sermos ns mesmos atravs de outros olhares. numa constituio saudvel que se passa o processo de aquisio do conhecimento, uma vez que nesta constituio conseguimos distinguir a nossa singularidade e a singularidade do outro, bem como enxergarmos a nossa diferena e a diferena do outro, construindo dialeticamente a universalidade. Esta dialtica se configura desde o nascimento, pois o objeto de conhecimento por ser um objeto do desejo deve ser construdo pelo prprio sujeito. Assim que nos fala Pan (2000, p. 67)4: "Porm, o objeto um objeto que tem que ser construdo e que precisa ser buscado. Este objeto construdo, desde o incio da vida psquica, atravs da organizao de um sistema de afetos, de emoes." Esta busca, esta construo nos leva a uma verdadeira relao de alteridade. Isto nos d condies de sermos ensinantes e aprendentes, ao mesmo tempo e em todos os momentos.

Scoz (2003, p. 28)5 nos diz que "o sujeito estar mais ou menos disposto a adquirir o conhecimento do outro, em razo do grau de confiana que esse outro merece", exatamente por manter uma relao de alteridade positiva. Mais adiante, a autora fala ainda sobre o tema, quando escreve:
A questo da Alteridade tambm se evidencia nas primeiras relaes da me com o beb: alm da alimentao e dos cuidados pessoais, o olhar e a voz como resposta aos sorrisos e balbucios, so fundamentais para o desenvolvimento da aprendizagem, ou seja, trata-se de uma base necessria para a instalao do terceiro objeto que permite a circulao do conhecimento, a autoria de pensamento e a possibilidade de diferenciao.

Este pensamento de Scoz, nos lembra a dialtica hegeliana. Para Hegel o pensamento dialtico. Sobre o tema, Meneses (2001, p. 69)6 nos deixa brilhantemente escrito que "...pensamento dialtico necessariamente pensamento pensante, porque capta o prprio movimento da vida e a palpitao do real". A partir deste pressuposto, faz-se importante rever como estes aspectos interferem no processo ensino-aprendizagem. Falo, aqui, em ensino-aprendizagem, pois sendo um processo - processo este que social, por ser uma relao entre um sujeito e um outro de uma mesma cultura, deve-se observar aqueles que se encontram nele envolvidos, ou seja, aquele que ensina e aquele que aprende.

Com esta compreenso sobre a psicopedagogia, que o CEPAI vem atuando, desenvolvendo, alm do curso de Ps-graduao, outros curso de pequena durao, como o PEI, Grupos de Estudo para aprofundamento de temas que foram abordados na ps-graduao, mas de uma forma horizontal, merecendo aprofunda-los verticalmente, numa formao continuada daqueles profissionais que desejam cada vez mais se prepararem para o exerccio da prxis psicopedaggica.

________________________________________
1 e 2, BOSSA, Ndia Aparecida - A Psicopedagogia no Brasil: Contribuies a partir da Prtica. Editora Artes Mdicas Sul,Porto Alegre, 1994
3. SCOZ, Beatriz J. L, - Apostila de sala de aula do Curso de Psicopedagogia, 1996.
4. PAN, Sara - in Encontros com Sara Pan, Organizado por Parente,
Snia Maria. Casa do Psiclogo, So Paulo, 2000.
5, SCOZ, Beatriz J. L - Por que a alteridade uma questo central para a psicopedagogia? In Psicopedagogia: Um portal para a insero social. Coordenado por Silvia Amaral. Editora Vozes, Petrpolis, 2003
6. MENESES, Paulo - Universidade e Diversidade. Coleo NEAL (Ncleo de Estudo para a Amrica Latina), Universidade Catlica de Pernambuco, 2001.

« Voltar